DIRETORIA   ESTATUTO   REGIMENTO   POLÍTICA DO SITE   FALE CONOSCO   ESPAÇO CIDADÃO  
   
   
PRINCIPAL
INSTITUCIONAL
JURÍDICO
NOTÍCIAS
ARTIGOS
MÍDIA OFICIAL
GALERIA DE FOTOS
PRESTAÇÃO DE CONTAS
ESPAÇO DO ASSOCIADO
APOSENTADORIA ESPECIAL
AOJUS RESPONDE
REAJUSTE SALARIAL
AGENDA
CURSOS
ENQUETES
ASSOCIE-SE
RECADASTRAMENTO
VOTAÇÕES
CONVÊNIOS
LINKS
MAPA DO SITE
ESPAÇO CIDADÃO
CAMPANHAS
 
FRENTE PARLAMENTAR ACIONA O STF CONTRA TRAMITAÇÃO DA REFORMA ADMINISTRATIVA

Quarta-feira, 17 de fevereiro de 2021

A Frente Parlamentar Mista em Defesa do Serviço Público (Servir Brasil) protocolou na sexta-feira (12) um mandado de segurança no Supremo Tribunal Federal (STF), contra a tramitação da PEC 32, que trata da Reforma Administrativa.
 
O Mandado de Segurança nº 37.688 foi impetrado com pedido de liminar contra atos do presidente da Câmara dos Deputados e do ministro da Economia, Paulo Guedes. O objetivo é que Lira suspenda a tramitação da Reforma Administrativa até que sejam publicados todos os documentos que instruíram a proposta.
 
A ação alega a impossibilidade de tramitação da Reforma Administrativa sem a apresentação – amparada por direito líquido e certo ao devido processo legislativo – dos documentos que a embasaram.
 
A proposta de revisão de carreiras públicas está na Câmara dos Deputados e é uma das prioridades do atual presidente da Casa, Arthur Lira (PP/AL). O texto foi enviado à Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) na segunda-feira (08).
 
"Não se pode deliberar adequadamente sobre aquilo que não se conhece, ainda mais consideradas a relevância e a envergadura da Reforma Administrativa", afirmam os autores do pedido.
 
Um deles é o deputado federal Israel Batista (PV/DF), presidente da Frente Parlamentar, para quem a falta de documentos fere uma premissa básica do Congresso Nacional. "Existe um direito líquido e certo ao devido processo legislativo. Há uma necessidade de apresentação dos documentos que embasaram a proposta de reforma constitucional", disse.
 
"Quando fomos olhar no site do Ministério da Economia, que deveriam dar acesso a estas informações, percebemos que elas eram incompletas e insuficientes para o debate ocorrer adequadamente no Congresso Nacional".
 
O deputado disse ainda que faltam informações sobre questões relevantes como impactos financeiro e orçamentário da mudança. “O texto encaminhado pelo Poder Executivo, que não tem previsão de impacto orçamentário e financeiro, provoca mudanças profundas para os futuros e atuais servidores. São alterações significativas nos direitos e nas prerrogativas do funcionalismo”, alerta.
 
A proposta de paralisar a tramitação, segundo Batista, já havia ocorrido em outros momentos, mas voltou agora com o envio do texto à CCJ. "Já foi protocolada [na CCJ], mas as comissões permanentes ainda não foram instaladas", afirmou o parlamentar.
 
"Assim que for escolhido o presidente, a mesa e os membros da CCJ, a proposta começa a tramitar imediatamente", concluiu.
 
Da assessoria de imprensa, Caroline P. Colombo com o Congresso em Foco


0 comentário(s) |